Início Economia O que fazer para não aumentar a fatura do gás em casa.

O que fazer para não aumentar a fatura do gás em casa.

Num contexto de crise energética que fez disparar os preços das matérias-primas, é preciso ter muita atenção com a fatura do gás em casa.
Num contexto de crise energética que fez disparar os preços das matérias-primas, é preciso ter muita atenção com a fatura do gás em casa.

Num contexto em que há uma crise energética que fez disparar os preços das matérias-primas, é preciso ter muita atenção com a fatura do gás lá em casa.

Quando se fala em poupar gás ou até eletricidade em casa, estão associadas 2 vantagens:
Uma das vantagens é obter um valor inferior na fatura. O gás e a eletricidade representam despesas domésticas, muito significativas.
A outra, é a consciência ambiental, relacionada com o cuidado com o ambiente. Devemos fazer o melhor que podermos com os recursos que temos. O uso excessivo dos combustíveis fósseis pode ser nocivo para a natureza e a biodiversidade.

Que tipo de contrato tem?

Qual a diferença entre o mercado regulado e o mercado liberalizado?

No mercado regulado, os preços da energia que são cobrados aos consumidores são fixados pelo regulador, enquanto no mercado liberalizado, cada comercializador, através de regras estabelecidas, decide quanto cobra pela energia ao consumidor. Desde 2013, que os consumidores foram incentivados a aderir ao mercado liberalizado, com base no argumento de que havendo mais concorrência haveria uma baixa dos preços. E quem saía do mercado regulado, já não podia voltar, tanto no gás como na eletricidade. Mas em 2018, essa regra foi alterada para a eletricidade, na sequencia de uma proposta do PCP, mas não no caso do gás. Como agora os custos da energia estão a disparar nos mercados internacionais, os preços no consumidor estão a subir abruptamente. Daí que o governo, já permita o regresso ao mercado regulado, onde os preços praticados são mais baixos. No entanto essa exceção só durará por um ano.

Como escolher um novo comercializador?

A ERSE aconselha o uso do simulador do regulador para poder fazer uma escolha consciente. O simulador da ERSE (https://simulador.precos.erse.pt/) reúne todas as ofertas comerciais disponíveis para os consumidores de eletricidade com potência contratada até 41,4 kilovoltampere (kVA), para baixa tensão normal, e de gás natural com consumos anuais até 10 000 metros cúbicos, para baixa pressão (BP). Como os preços das ofertas comerciais no mercado liberalizado dependem, em parte, das tarifas aprovadas anualmente pela ERSE, como é o caso das tarifas de acesso às redes, aconselha-se o consumidor a fazer, pelo menos, duas simulações de preços por ano. Em função do calendário de aprovação das tarifas da ERSE, deverá fazê-lo no final de janeiro, para a eletricidade, e o final de outubro, para o gás natural, por sugestão do regulador.

Quando se pode mudar para a tarifa regulada?

A partir de 1 de outubro vai poder escolher livremente em qual dos mercados quer estar, de acordo com o anúncio do ministro do Ambiente e Ação Climática, Duarte Cordeiro. Atualmente são 227 mil os consumidores que se mantêm na tarifa regulada do gás natural, de acordo com dados da ERSE. Ou seja, cerca de 97,7% dos consumidores portugueses estão hoje no mercado liberalizado do gás.

Algumas dicas para poupar gás em casa

Escolher o tarifário adequado: Se tiver gás canalisado, verifique se está a pagar o menos possível. Pode fazer simulação em relação ao seu consumo de gás natural no portal “Poupar Energia”.

Usar o fogão de forma consciente:
Cozinhar com a panela de pressão permite uma poupança energética de 15% na fatura do gás.
Usar o bico com o tamanho adequado à panela e centrá-la bem.
Tapar os tachos com as respetivas tampas.
Baixe o lume quando a água dos alimentos começar a ferver. Até porque manter a chama alta pode fazer com que os alimentos cozam antes do tempo.
Tenha em atenção a quantidade de água necessária para cozinhar cada alimento. Assim pode poupar gás no uso diário do fogão e na fatura do gás.

Poupar gás no esquentador:
A ADENE afirma que a temperatura entre os 30º e os 35º é suficiente para transmitir uma sensação de conforto.

Lavar a louça com água fria:
Se não estiver frio ou se a loiça não tiver muita gordura, lave-a com água fria.

Tenha atenção ao isolamento térmico da casa.

Tenha atenção a manutenção dos seus eletrodomésticos.