Uber vai despedir cerca de 3.700 pessoas, CEO abdica de salário base de um milhão de dólares

A Uber vai despedir cerca de 3.700 pessoas, ou seja, cerca de 14% de todos os funcionários que tem a nível mundial, devido ao impacto que o novo coronovírus está  ater na operação da empresa. Como avançou o Business Insider, a plataforma de mobilidade justificou o despedimento às autoridades dos EUA devido ao número reduzido de viagens que tem tido.

Devido ao menor volume de viagens no segmento de viagens, e ao atual congelamento de contratações da empresa, a empresa está a reduzir as suas equipas de apoio ao cliente e de recrutamento”, justifica a Uber.

Em resposta ao Observador, fonte oficial Uber disse: “Com as pessoas a fazer menos viagens, infelizmente não há trabalho suficiente para muitos dos nossos colaboradores das áreas de apoio ao cliente. Como não sabemos quanto tempo irá levar a recuperação, estamos a tomar medidas para alinhar os nossos custos com a dimensão atual dos nossos negócios. Foi uma decisão difícil mas é a correta para ajudar a proteger a sustentabilidade da empresa a longo prazo e garantir que saímos desta crise mais fortes.”

Quanto ao impacto que a medida pode ter em Portugal, a Uber diz que não comenta impacto de cada mercado. “Mas podemos confirmar que vai impactar todos os mercados.”

As notícias de um possível layoff na Uber já eram faladas desde a semana passada, com o anúncio da saída do diretor de tecnologia, Thuan Pham, da empresa. Quando nesta terça-feira se confirmaram os rumores, Dara Khosrowshahi, o presidente executivo da Uber, revelou num e-mail enviado aos funcionários que vai abdicar do seu salário base de um milhão de dólares (cerca de 925.9 milhares de euros) até ao final deste ano.