Comércio local dá mais garantias de cumprir regras do que as feiras

A diretora geral da Saúde afirmou hoje que o comércio local dá mais garantias do que as feiras do cumprimento das regras de prevenção contra a covid-19, justificando a proibição de algumas feiras a partir de quarta-feira.

Graça Freitas reconheceu que os feirantes pertencem a "um setor importante que tem dificuldades na sua vida"

Questionada na conferência de imprensa de acompanhamento da pandemia da Covid-19, Graça Freitas reconheceu que os feirantes pertencem a “um setor importante que tem dificuldades na sua vida”, mas defendeu que a sua atividade tem “uma grande diferença” em relação às lojas, que vão poder continuar a funcionar.

comércio tradicional “é estável, é fixo, não é móvel” e “dá alguma garantia de que as regras se cumprem”, salientou.

Temos que ter alguma paciência porque temos mesmo que achatar a curva porque o inverno e o frio a sério e os outros vírus ainda não chegaram e temos aqui e agora uma janela de oportunidade“, declarou Graça Freitas.

A proibição das feiras é uma das medidas determinadas pelo governo para lidar com o aumento do número de casos de contágio em Portugal e vigorará a partir de quarta-feira em 121 concelhos do país, os que são considerados de maior risco.

A medida já foi contestada pelo setor dos feirantes, que se considera discriminado, uma vez que centros comerciais e lojas podem continuar a funcionar, embora com restrições de horários.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 1,2 milhões de mortos e mais de 46,5 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 2.590 pessoas dos 146.847 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

FONTENoticias ao minuto
Artigo anteriorAfinal, como se pode saber da existência de um seguro?
Próximo artigoPreparar a ‘carteira’ para o próximo ano? Sete coisas que deve fazer