Início Economia E se eu não puder pagar um empréstimo?

E se eu não puder pagar um empréstimo?

O pagamento atempado das dívidas deve ter prioridade sobre outras despesas.

O não pagamento de um empréstimo, quer se trate de uma hipoteca ou de um empréstimo pessoal, pode levar a sérios problemas. Na gestão de qualquer orçamento, o pagamento atempado das dívidas deve ter prioridade sobre outras despesas. Nunca tome a decisão de deixar de pagar um empréstimo como solução para um problema económico, porque longe de ser uma solução, será o início de grandes problemas.

Se sofrer uma mudança na sua situação económica que realmente o impossibilite de cumprir as suas obrigações, é melhor falar com o seu banco para lhes comunicar o problema antes do vencimento do pagamento. É sempre melhor antecipar o problema do que esperar por uma reclamação. Não tenha vergonha de explicar o seu problema e pedir ajuda. Qualquer pessoa pode encontrar-se em dificuldades financeiras a qualquer momento e as instituições de crédito preferem cobrar, mesmo tarde, do que ter um cliente com pagamento em atraso. Encontrar uma solução beneficia ambas as partes.

É bem possível que a sua instituição proponha alguma medida, como estabelecer um período mais longo para que o pagamento seja inferior, ou mesmo a concessão de um período de carência, durante o qual apenas teria de pagar os juros. Estes são alguns exemplos de possíveis soluções que poderiam ajudá-lo a ultrapassar as dificuldades, mas tenha em conta que geralmente significa que a dívida se vai tornar mais cara com o tempo. Mesmo assim, será sempre melhor do que simplesmente não pagar de todo.

O que acontece se simplesmente deixar de pagar?

Com a primeira prestação em falta, o banco cobrar-lhe-á juros de mora, que normalmente são muito superiores aos juros normais. O banco pode também cobrar uma taxa muito elevada pela recuperação das prestações não pagas. Estes juros e comissão serão adicionados à dívida original, de modo a dever mais dinheiro a cada dia que passa.

O banco continuará a exigir o pagamento durante um período de tempo. A partir do terceiro não pagamento pode iniciar uma acção judicial, embora normalmente deixe passar até seis meses, (lembre-se que entretanto a sua dívida está a crescer cada vez mais). Após este período de tempo, o que acontece dependerá do tipo de empréstimo que tiver e dos bens que tiver.

Se for um empréstimo hipotecário sobre a sua casa ou outro imóvel, o banco pedirá a um juiz para executar a hipoteca. Terá outro período de cerca de um ano para pagar a dívida (que será consideravelmente mais longo do que no início), mas se não o fizer, a sua casa será leiloada e terá de a deixar, perdendo quaisquer direitos como proprietário de casa. Se a casa não for leiloada pelo montante total devido ao banco, mais despesas, continuará a dever ao banco uma dívida e o banco poderá exigir o pagamento aos seus fiadores ou apreender os seus outros bens.

Fale com o seu banco. Os bancos preferem cobrar, mesmo que seja tarde, do que ter de apresentar reclamações legais.

Se for um empréstimo pessoal, não pense que se vai safar com isso. Ao contrair um empréstimo pessoal (empréstimo ao consumidor), coloca todos os seus bens presentes e futuros como garantia. No caso de uma situação prolongada de não pagamento, a entidade poderá conseguir que um juiz apreenda estes bens, que incluem a sua casa, o seu carro, as suas contas bancárias, parte do seu salário ou pensão, etc. – tudo o que é necessário para liquidar a dívida.

Se deu a garantia adicional de um ou mais fiadores, estas pessoas também têm de responder conjunta e solidariamente por todas as suas dívidas pendentes. Por outras palavras, se não pagar e não tiver bens a apreender, o banco pode exigir que os seus fiadores paguem a sua dívida ou também apreender os seus bens.

Naturalmente, não pagar um empréstimo significará também que incluirão os seus dados nos ficheiros dos incumpridores, que são consultados por todas as instituições de crédito, tornando difícil ou impossível a obtenção de financiamento no futuro.